DESTAQUE

Desembargador quer pressa nos processos de agressão à mulher

O Tribunal de Justiça do Piauí iniciou hoje a Semana Justiça pela Paz em Casa, com quase 500 audiências agendadas.
Solenidade de abertura da Semana Justiça pela Paz em Casa, em Teresina (Foto: Divulgação)

O Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) iniciou nesta segunda-feira (6) a Semana Justiça pela Paz em Casa, que realizará 484 audiências de processos de violência contra a mulher até a próxima sexta-feira. Na solenidade de abertura do evento, em Teresina, o vice-presidente do TJ-PI, desembargador Manoel Dourado, disse que é importante agilizar o julgamento dos crimes de violência doméstica.

Segundo o desembargador Manoel Dourado, não há mais espaço no Judiciário para que as mulheres possam ser revitimizadas com a longa espera para o julgamento dos casos. “Cada juiz e juíza precisa administrar os processos e as pessoas, precisam julgar. Esse é o foco. As mulheres vítimas não podem mais sofrer por não verem seus agressores julgados”, disse o desembargador.

O vice-presidente assinalou, ainda, que a mulher, embora figure como vítima no contexto da Semana, é, na verdade, protagonista, pois tem conseguido alcançar mais destaque nesta luta contra violência doméstica. Ele também comemorou o avanço do programa Justiça pela Paz em Casa.

“Agradecemos à desembargadora Eulália Pinheiro pela dedicação em assumir a supervisão destes trabalhos e a todas que fazem a Coordenadoria da Mulher. Assim, reafirmamos o discurso do presidente Hilo de Almeida, também empenhado nesta causa, até porque o Judiciário é, cada vez mais, transformador da vida social e cumpre papel importante”, argumentou.

Para a juíza Keylla Ranyere, coordenadora da Coordenadoria da Mulher do TJ-PI, as ações da Semana da Justiça Pela Paz em Casa e os julgamentos em forma de esforço concentrado são formas também de conscientizar a sociedade sobre esse problema.

“É um meio para darmos visibilidade ao problema e chamar atenção sobre os casos de violência contra a mulher. É também um convite a uma reflexão sobre o que alimenta este tipo de violência. Trata-se de um problema complexo e que precisa de uma atuação conjunta. No âmbito do judiciário atuamos em rede com outras instituições”, disse.

Supervisora da Coordenadoria da Coordenadoria da Mulher do TJ-PI, a desembargadora Eulália Pinheiro disse que é o momento de o Judiciário agir fortemente neste enfrentamento à violência doméstica. “É triste ver essa realidade e o Judiciário tem esse papel de trazer paz para a sociedade. Precisamos nos ajudar e nunca silenciarem casos de violência”, declarou a magistrada.

Audiências

Em todo o estado, foram agendadas 484 audiências, sendo 239 na 1ª Vara de Parnaíba e 116 agendamentos feitos pelo 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Teresina e pela 1ª Vara do Júri.

Outras comarcas também participam da Semana e agendaram audiências, a exemplo:

1ª Vara de Campo Maior: 31

4ª e 5ª Vara de Picos: 22

Comarca de Elesbão Veloso: 25

Comarca de Piripiri: 19

 

Deixe uma resposta