Arquidiocese de Teresina lança pedra fundamental do Santuário Mãe Rainha

A programação vai iniciar com uma carreata saindo da Ponte Estaiada, a partir das 14h30, até o local situado no Povoado Santa Luz.
Local escolhido para a construção do novo santuário (Foto: Divulgação)

A Arquidiocese de Teresina realiza o lançamento da pedra fundamental para a construção do Santuário Arquidiocesano da Mãe Rainha neste sábado (18). A programação vai iniciar com uma carreata saindo da Ponte Estaiada, a partir das 14h30, até o local situado no Povoado Santa Luz, zona rural de Teresina, onde acontecerá Santa Missa presidida por Dom Jacinto Brito, por volta das 15h30.

No Brasil e em outros países do mundo existem diversos santuários dedicados à Mãe Rainha, mas no Piauí apesar da forte devoção mariana e do antigo desejo da construção do santuário, ainda não existe nenhum templo construído. De acordo com Lourdinha Alcântara, coordenadora diocesana do movimento Mãe Rainha em Teresina, a realização do sonho da construção do santuário vai ser possível após a doação de um terreno.

“A construção tem uma importância muito grande para a nossa missão mariana, porque vai aumentar a nossa espiritualidade. Vai ser um local para que as graças sejam pedidas e também para agradecer as alcançadas. Nosso santuário não será filial, mas sim diocesano. No entanto, nossas orações serão destinadas à filial de Schoenstatt, que emana todas essas graças”, explicou.

Antes mesmo do início da construção, os fiéis dos movimentos Mãe Rainha e do Terço dos Homens já se reúnem no local para a oração do terço, celebração de missas e momentos de espiritualidade. O secretário arquidiocesano do Terço dos Homens, Vítor Lopes, revelou que visita o local sempre que pode e que as suas expectativas para a edificação do novo santuário são as melhores possíveis.

“O Terço dos Homens também faz parte do movimento Mãe Rainha. E a gente sempre que precisa ir ao santuário mais próximo temos que viajar aproximadamente mil quilômetros. Após a construção, teremos uma fonte mais próxima para fortalecer a nossa fé. Quando recebemos a doação do terreno ficamos muito surpresos, porque não sabíamos da intenção da oferta. Somos muito gratos por essa bela ação”, disse.

O casal Edival e Alsiana foram os responsáveis pela doação do terreno. Eles residiam no estado do Ceará e se mudaram para o Piauí para realizar esse belo ato de fé que nasceu de uma promessa. Para o empresário Edival Alves, a doação do terreno é o pagamento de uma promessa após uma graça alcançada.

“Quando nos casamos tínhamos apenas 14 anos de idade. Nesse período passamos por algumas dificuldades financeiras e eu fiz uma promessa à Nossa Senhora que se conseguisse sair daquela situação iria recompensar de alguma forma. Ela nos agraciou e quando tomamos conhecimento desse sonho da construção do santuário, decidimos fazer a doação desse lugar que tem dois hectares”, relatou.

Arrecadação de recursos para a construção

Diversas ações estão sendo realizadas na intenção de arrecadar recursos para essa construção, como leilões, carnês e bingos, até que a conclusão do templo seja realizada.  Fábio Nascimento, engenheiro responsável pela obra e que também integra o movimento Mãe Rainha, explicou que as obras ainda estão na fase inicial.

“Fizemos toda a parte de altimetria e topografia do terreno e mapeamento com o auxílio de um drone. É um terreno grande, mas ainda estamos no início dessa grande obra. Vamos trabalhar para que seja uma obra bem bonita, funcional e de fácil acesso, com estacionamento amplo e acolhedor”, explicou.

Por mais que exista um tamanho e estrutura padrão a ser seguida na construção do santuário, o local contará com um amplo espaço externo, com uma tenda com capacidade para receber mais de mil pessoas, além de dormitórios, lojas e estacionamento. O padre Gonçalo Teixeira, que faz parte da comissão da construção do templo, informou que o local, mesmo sem uma estrutura física, já vem acolhendo peregrinos de diferentes locais.

“Quando comunicamos para as pessoas a construção do santuário, percebemos o início das movimentações e peregrinações até aqui, mesmo fora dos dias de visitação. No dia 18 de cada mês, padres e diáconos estão vindo para a celebrar e acolhem um número grandioso de pessoas”, revelou.

 

Deixe uma resposta