Piauí registra 85 novos casos e uma morte por covid em 24 horas

Números são da Secretaria da Saúde. No total, são mais de 344,7 mil contaminados e 7.306 vidas perdidas na pandemia.

O Piauí confirmou 85 novos casos de covid-19 e registrou um óbito nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados hoje (13) pela Secretaria de Estadual da Saúde (Sesapi).

Com estes números, o estado atingiu a marca de 344.753 infectados e 7.306 mortes nos seus 224 municípios.

A vítima era residente em Patos do Piauí e tinha 71 anos de idade, de acordo com a pasta. Teresina é a cidade mais afetada pela pandemia, com 2.626 vidas perdidas.

Conforme o levantamento do governo, 263 pessoas estão internadas para tratamento da infecção causada pelo novo coronavírus, sendo que 90 se encontram na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Vacinação

Pelos números do Vacinômetro, aplicativo da Sesapi, 2.739.391 piauienses (83,48% da população) já tomaram a primeira dose de vacina (AstraZeneca, Pfizer e CoronaVac).

Até agora, 2.426.362 receberam a segunda dose e 52.916 foram vacinadas com a dosagem única. Com isso, 75,55% da população está totalmente imunizada.

Ainda de acordo com a Secretaria da Saúde, 393.838 pessoas foram imunizadas com a dose de reforço – 12% dos piauienses.

Flurona

O Piauí não tem nenhum caso confirmado de coinfecção entre influenza (gripe) e covid-19. A dupla contaminação pelos dois vírus está sendo chamada de “flurona”. O caso de uma paciente de Floriano, investigado pelo Laboratório Central (Lacen), deu positivo para covid-19, mas negativo para Influenza, informou a Secretaria Estadual da Saúde.

Os exames para detectar influenza (gripe) e covid-19 são feitos nas UPAs. As amostras coletadas são encaminhadas ao Lacen-PI para identificação viral.  A investigação laboratorial de vírus respiratórios abarca 15 vírus, dentre eles o SARS-COV-2 e o Influenza (subtipos). O Lacen é o laboratório de referência responsável por confirmar ou descartar os casos no Piauí. Até o momento, não existe nenhum caso positivo no estado.

Segundo a epidemiologisita Amélia Costa, coordenadora do Cievs,  “caso ocorra coinfecção, a conduta clínica não é alterada. Os sintomas das duas doenças são semelhantes: Dor no corpo; dor de garganta e febre”. Como os dois vírus são respiratórios, as medidas de prevenção são as mesmas para evitar a contaminação. “O uso de máscara, higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel e distanciamento social”.

 

Deixe uma resposta