Aulas na UFPI recomeçam dia 7 de fevereiro em formato híbrido

A instituição está realizando reformas nos restaurantes e residências universitárias. Atividades serão retomadas com respeito às normas contra a covid-19.

As aulas da Universidade Federal do Piauí (UFPI) serão retomadas no dia 7 de fevereiro, em formato hídrido – presencial e online. O período acadêmico é referente ao segundo semestre de 2021. O atraso deve-se à pandemia da covid-19, que provocou a suspensão das atividades em março de 2020. A UFPI está preparando os seus campi para a recomeço das aulas, com reforma nos restaurantes (RUs) e nas residências universitárias (REUs).

“A preocupação é reestabelecer os serviços à comunidade, seguindo os protocolos sanitários contra a covid-19 para receber alunos, técnicos e professores em segurança”, disse o reitor Gildásio Guedes, de acordo com o site da instituição.

Nos RUs, está sendo finalizada a instalação de estruturas de acrílico para reforçar a separação de usuários nas mesas de alimentação, além de reduzir a capacidade de acomodação em 40%. As janelas estão sendo abertas para aumentar a circulação de ar. Outra medida será a sinalização dos espaços das filas para manter o distanciamento bem como a instalação de pias e tótens com álcool em gel. Outra frente de trabalho é a regularização dos contratos para garantir a oferta de alimentação para os usuários. As ações de adaptação ocorrem nos restaurantes dos campi de Teresina e interior.

Reitor da UFPI, Gildásio Guedes (Foto: Divulgação)

“A preocupação também se estende às residências universitárias para voltar a acolher alunos em vulnerabilidade socioeconômica. Além das revisões elétrica e hidráulica, manutenção dos aparelhos de ar-condicionado e demais eletrodomésticos, será feito serviço de pintura, disponibilização de tótens de álcool em gel, troca de mobiliário em alojamentos e adoção de medidas para estabelecer redução da capacidade de acomodação”, informa a UFPI.

As reformas foram determinadas pelo reitor Gildásio Guedes. Em vistoria à REU Central em Teresina, na semana passada, ele estabeleceu urgência na realização das obras e reparos. “As residências universitárias desempenham papel central no acolhimento de estudantes em vulnerabilidade que não têm condições de arcar com as despesas de aluguel na cidade. É uma ação fundamental que garante a permanência de muitos alunos no curso”, avaliou.

As REUs estão fechadas há quase dois anos, mas os alunos não ficaram desassistidos. Os estudantes que moravam nas residências da UFPI recebem auxílio moradia para custear as despesas de aluguel nos novos locais que passaram a viver.

Por causa da pandemia, as aulas na UFPI e demais universidades brasileiras foram suspensas no primeiro semestre de 2020. Mesmo com a retomada das atividades pelo sistema remoto, houve um atraso e por isso os estudantes vão cursar em 2022 o período referente ao segundo semestre do ano passado.

Com informações da UFPI

 

Deixe uma resposta