Piauí reforça barreiras sanitárias na divisa com o Maranhão

Medidas buscam ampliar o trabalho de detecção e acompanhamento de novos casos, além de prevenir contra variante indiana do coronavírus.

O Piauí vai reforçar as barreiras sanitárias em 25 pontos de divisa do Piauí com o Maranhão, além da região Teresina/Timon. O secretário estadual da Saúde, Florentino Neto, disse que o trabalho será intensificado nos postos de divisa territorial, rodoviárias e aeroportos por causa do registro de casos da variante indiana em São Luís, capital do Maranhão.

“Fizemos uma revisão das barreiras que atuam nas divisas entre os dois estados. Elas serão reforçadas e trabalharão 24 horas para que possam identificar casos sintomáticos e suspeitos, dando o direcionamento que os protocolos recomendam”, disse o secretário.

As 25 barreiras que serão reforçadas estão localizadas nos municípios de Ilha Grande, Parnaíba, Gilbués, Santa Filomena, Ribeiro Gonçalves, Uruçuí, Antônio Almeida, Porto Alegre do Piauí, Guadalupe, Jerumenha, Floriano, Amarante, Palmeirais, Nazária, União, Miguel Alves, Porto, Campo Largo do Piauí, Matias Olímpio, Madeiro, Joca Marques, Luzilândia, Joaquim Pires, Murici dos Portelas e Buriti dos Lopes.

O tenente-coronel Francisco Ramos destacou o papel da Polícia Militar, que vem atuando com uma parceria direta nos trabalhos das barreiras. “Vamos intensificar as abordagens nas barreiras nas divisas do Maranhão. Esse trabalho tem como foco apenas garantir a vida dos piauienses”, afirmou.

A coordenadora do Programa Busca Ativa, Dilia Falcão, reforçou que, neste momento, é essencial o trabalho em conjunto aos municípios, além da cooperação da população, para que as barreiras possam cumprir seu papel de forma efetiva. Ela lembrou que esse trabalho vem sendo feito há um ano, com o objetivo de “orientar e ao mesmo tempo identificar precocemente de novos casos”.

Variantes

No Piauí não foi detectada a presença da cepa indiana, porém já circulam pelo estado as variantes P1, P2 e a N9, consideradas preocupantes pelo poder de transmissibilidade acarretando em casos mais graves da doença, disse a coordenadora de Epidemiologia da Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi), Amélia Costa.

“Mesmo não tendo essa variante indiana circulando no Piauí, os cuidados necessários para evitar a transmissão do vírus devem ser mantidos”, alertou Amélia Costa.

 

Deixe uma resposta