Sedentarismo é um veneno, e exercício um remédio para a saúde

Estudo revela que duas semanas de “fique em casa parado” promovem grande perda de massa das pernas. Leia na coluna.

Quando falamos de diabetes precisamos ressaltar a importância do seu comportamento na prevenção e tratamento da doença.

Há evidências científicas que mudanças de hábitos são quase 2 vezes mais eficientes em prevenir diabetes tipo ll que os remédios (Knowler et all 2002) e poderiam evitar mais da metade das mortes em pessoas diabéticas (Schlesing et all 2020).

No tocante à atividade física, os estudos sinalizam que o SEDENTARISMO é um veneno para a saúde. Inclusive pessoas saudáveis podem se tornar diabéticas ao ficarem paradas fisicamente.

Em estudo do pesquisador Krogh-Madsen et all 2010), pegaram pessoas saudáveis e por duas semanas, as fizeram reduzir a quantidade de passos de 10.500 para 1.344 ao dia e avaliaram o impacto que isso teria no metabolismo da glicose.

Os resultados revelaram que essas 2 semanas de “fique em casa parado” promoveram significativa perda de massa das pernas. No entanto, o que foi mais assustador foi perceber que em apenas 15 dias houve redução de 17% no metabolismo da glicose. Falando de outro jeito, 2 semanas parado ( menos que muitas férias) fez a insulina perder quase 1/5 do seu efeito.

Se você é saudável, isso vai fazer seu pâncreas liberar mais insulina, aumentando a produção de gordura corporal alterando seus lipídeos sanguíneos e causando uma reação em cadeia que certamente prejudicará muito sua saúde a médio longo prazo.

Se você já é diabético, haverá mais lesões na retina aumentando o risco de cegueira, mais lesões nos vasos sanguíneos, aumentando a pressão arterial e o risco de problemas cardiovasculares. Além de baixar a imunidade. Ou seja, ao mesmo tempo em que o SEDENTARISMO parece ser um VENENO para a saúde, o exercício físico regular parece ser um remédio.

Desta forma, em tempos de pandemia, em que se faz mais que necessário zelar pela da população, é fundamental o poder público incentivar a prática de atividade física, seja ela praticada em academias ou ao ar livre. Exatamente diferente de como está sendo feito (infelizmente).

 


DEMÓSTENES RIBEIRO é professor de Educação Física formado pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), com pós-graduação em Gerontologia (UFPI), pós-graduação em Treinamento Desportivo e Fisiologia pela Faculdade Gama Filho (RJ), pós-graduação em Aspectos da Medicina Esportiva pela Unopar (PR). Com mais de 33 anos de experiência, Demóstenes é um dos profissionais com mais experiência na área.


 

Deixe uma resposta