Dicas para comprar com segurança no Dia das Mães

Se for comprar pelo sistema online, a dica é verificar a credibilidade do site em que deseja realizar o negócio. 

Neste domingo será comemorado o dia das mães e o comércio varejista já está recheado de promoções para quem não pretende deixar a data passar em branco. Pensando nisso, a coluna separou algumas dicas para o consumidor garantir uma compra tranquila, sem problemas e prejuízos.

A primeira dica é pesquisar os preços, já que muitos produtos tiveram seus preços elevados em razão da inflação e da alta do dólar provocadas pela pandemia. Aqui é importante lembrar que a oferta, em regra, vincula o fornecedor, por isso, ao se interessar por um produto, guarde o panfleto ou salve o anúncio.

Se for comprar online, a dica é verificar a credibilidade do site em que deseja realizar a compra. Por meio de buscadores na internet é possível obter informações de outros consumidores sobre a experiência deles com o site/loja on-line. A página virtual deve conter informações como CNPJ da empresa, endereço físico e telefones. Se a compra for por aplicativo da loja, o ideal é baixar diretamente da loja de aplicativos do celular, já que existem muitos apps fakes no meio digital.

Outra dica é ficar atento (a) aos prazos de troca. O fornecedor da loja física não é obrigado a trocar produto por insatisfação do consumidor (cor, modelo, tamanho), somente se este apresentar defeito. Nesse caso, o consumidor tem 30 dias para solicitar a troca de produtos não duráveis e 90 dias para produtos duráveis, contados da data da compra. Se o produto for adquirido em loja virtual, o prazo para desistência é de 7 dias (direito de arrependimento), a partir do recebimento do produto, e não precisa justificar o motivo da devolução, além de poder ser restituído pelos valores pagos.

Por fim, se o produto for adquirido em promoção, o fornecedor pode se negar a trocar, mas é preciso informar o consumidor de forma clara e ostensiva no ato compra. Como não há obrigatoriedade na troca, é muito importante buscar informações sobre a política de troca da loja no momento da compra, como possibilidade de troca, impedimentos, dias e horários, etc. Diante de qualquer abusividade, o Procon deve ser acionado.

 


MARINERI ALVES de Sousa, 29 anos, é advogada militante no Piauí, formada em Direito pelo Instituto Camilo Filho (ICF), com pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). É membro da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor da OAB-PI. Possui graduação pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pós-graduação em Letras/Português (UESPI).


 

Deixe uma resposta