Atividade física pós-covid

A volta às atividades físicas deve ser o mais breve possível, sendo recomendada duas semanas após a acabarem os sintomas.

A covid 19 é uma doença inflamatória que afeta principalmente o sistema respiratório, causando muitos danos aos pulmões. Por esta razão é que em casos graves da doença que provocam a morte, é comum a falta de ar.

Atividade física sempre foi e será fundamental para a saúde. Principalmente em tempos de pandemia que estamos vivendo, pois o que será determinante para o sucesso ou não em um eventual embate com o covid, é a condição de saúde da pessoa. Se tiver um eficiente sistema imunológico as chances de sucesso aumentam bastante.

A volta às atividades físicas deve ser o mais breve possível, sendo recomendada duas semanas após a acabarem os sintomas.

A doença pode deixar uma série de sequelas cardíacas e pulmonares principalmente. Por esta razão, o ideal seria que todo mundo que passou pela doença, fizesse uma avaliação médica, principalmente avaliação cardiológica. Esta é a orientação lançada num documento feito pela Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Na prescrição da atividade física trabalha-se com duas variáveis, volume e intensidade de exercício. Volume refere-se ao tempo de execução do exercício, enquanto que Intensidade refere-se ao grau de dificuldade, ou seja, mais pesado ou não.

Em clientes pós-covid, a ênfase deve ser (inicialmente) no volume da atividade e sempre respeitando os Princípios Básicos do treinamento, como o Princípio da Individualidade Biológica.

Como o tratamento requer repouso absoluto, acontece um processo de destreinamento acentuado, com redução dos principais aspectos do condicionamento físico. Reduzindo capacidade respiratória, resistência muscular, amplitudes de movimentos, resistência anaeróbia e força muscular. Estudos revelaram que em apenas 2 semanas a força muscular muscular reduziu mais ou menos 15%.

O aspecto psicológico fica também afetado com a doença, tornando a pessoa frágil, incapaz, insegura, etc.

Desta forma, o retorno às atividades físicas devem ser de forma bem lenta e gradual respeitando os limites individuais.

 


DEMÓSTENES RIBEIRO é professor de Educação Física formado pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), com pós-graduação em Gerontologia (UFPI), pós-graduação em Treinamento Desportivo e Fisiologia pela Faculdade Gama Filho (RJ), pós-graduação em Aspectos da Medicina Esportiva pela Unopar (PR). Com mais de 33 anos de experiência, Demóstenes é um dos profissionais com mais experiência na área.


 

Deixe uma resposta