Exercícios vigorosos podem reduzir taxa de mortalidade

Nos treinos mais intensos o corpo produz uma quantidade maior de oxigênio tecidual, maior vasodilatação, maior fluxo sanguíneo. Veja coluna.

Todo mundo deseja viver mais e melhor, mas atingir esse objetivo nem sempre é tarefa fácil. Entretanto, uma das maneiras de prolongar os anos de vida, com boa saúde e bem estar, é adotando um estilo de vida saudável. Isso quer dizer ter uma boa alimentação e praticar exercícios físicos, principalmente os mais vigorosos. Essa foi a conclusão de estudo publicado pela revista científica JAMA INTERNAL MEDICINE, que avaliou dados de 403.681 pessoas.

Na pesquisa, foi feita a comparação entre pessoas que se exercitavam intensamente e as que só faziam atividades moderadas. O resultado foi a redução de 17% do risco de mortalidade das pessoas das pessoas do primeiro grupo.

Para pessoas que treinam mais forte, acostumadas com treinos de alta intensidade, atividades do tipo podem produzir uma série de benefícios que promovem a longevidade.

Nos treinos mais intensos o corpo produz uma quantidade maior de oxigênio tecidual, maior vasodilatação, maior fluxo sanguíneo e maior produção de enzimas que melhoram a performance.

Ainda segundo o estudo citado, as pessoas que realizaram metade ou 75% das atividades em intensidades alta durante a semana tiveram 17% de redução do risco de mortalidade se comparado com aqueles que só fizeram de forma moderada.

Os estudos sinalizam que o treino mais intenso é a maneira de se ter mais qualidade de vida, mas claro, sempre importante lembrar que viver mais depende de outros fatores como, a genética de cada pessoa. Vale lembrar também que o ideal é que toda atividade física deve ser orientada por um Profissional de Educação Física, que vai prescrever uma rotina de exercícios de forma a maximizar os resultados físicos com o mínimo de risco de lesão.

A realização dos dois tipos de atividades (tanto as moderadas quanto intensas) são importantes. O que o estudo comprovou foi que os exercícios mais intensos promovem maior redução da mortalidade.

Além disso, vale ressaltar que a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda a prática de atividade física entre 150 e 300 minutos por semana.

 


DEMÓSTENES RIBEIRO é professor de Educação Física formado pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), com pós-graduação em Gerontologia (UFPI), pós-graduação em Treinamento Desportivo e Fisiologia pela Faculdade Gama Filho (RJ), pós-graduação em Aspectos da Medicina Esportiva pela Unopar (PR). Com mais de 33 anos de experiência, Demóstenes é um dos profissionais com mais experiência na área.


 

Deixe uma resposta