Deficiente visual de 18 anos tira 940 pontos na redação do Enem

A meta de Maria Gabriella Santos agora é conquistar uma vaga para o curso de Direito, em uma universidade federal.
Maria Gabriella ao lado da mãe, Joana Darc (Foto: Reprodução)

A estudante Maria Gabriella Silva Santos, de 18 anos, tirou 940 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Moradora do povoado Baixia, em Pimenteiras, a jovem tem uma deficiência visual. A sua meta agora é conquistar uma vaga para o curso de Direito em uma universidade federal.

As notas finais do Enem foram divulgadas ontem (29) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Apenas 28 candidatos tiraram a nota 1.000, a mais alta da prova. O exame garante acesso ao ensino superior.

A sua história não se resume ao problema da falta da visão, isso porque ela mesma conta que a base que teve na escola foi importante para a conquista da boa nota. Depois que finalizou o ciclo da educação básica e com o início da pandemia, ela explica que desenvolveu um plano de estudo individual.

“Como moro na zona rural e um pouco distante da escola, eu tive que fazer meu próprio cronograma, mas tenho como base os estudos da escola e tudo que aprendi lá”, contou a estudante.

A mãe da jovem, Joana Darc dos Santos Silva, disse que foi a primeira professora da filha e fez faculdade na área de educação, tornando-se especialista em Educação Especial. “Devido às dificuldades que passei quando ela começou a estudar, eu tive que me capacitar e hoje sou formada em Pedagogia e tenho especialização em Educação Especial e ajudo outras pessoas”, disse.

Gabriela é egressa do CEEP Antônio Gentil Dantas Sobrinho, anexo Tapera. O diretor, Romuel Lima dos Santos, conta que a escola oferece um ensino de qualidade e que atenda às necessidades de cada aluno, como foi o caso da Gabriela. Ela, que terminou o ensino médio ainda em 2019, percorria cerca de seis quilômetros para chegar à escola e tinha o apoio integral de professores para a construção da sua vida escolar.

“A Gabriela sempre foi uma aluna dedicada e muito curiosa e que sonha muito alto”, comentou um de seus professores, Adonias Pedrosa. Ele ainda comenta que nas suas disciplinas de Física e Química ele sempre passava as fórmulas e a jovem conseguia transformar essas fórmulas de uma forma lógica e sempre conseguia resolver esses cálculos muito rápido. Segundo o professor, o interesse da aluna sempre surpreendeu e as notas delas sempre foram as melhores da turma.

A escola comemora a conquista da aluna e o diretor relata que um intenso trabalho vem sendo realizado com os estudantes, com as ações postadas no Jovem Futuro, acompanhamento da participação dos alunos na plataforma Google Classroom, reuniões com os pais para informar sobre a real situação do aluno e a constante busca ativa dos alunos faltosos nas atividades.

A instituição oferta o Ensino Médio Regular, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e Médio Técnico Profissional. São 532 alunos matriculados, incluindo anexos na localidades Tapera, Sítio das Onças, Curralinho, Torres e Lagoinha.

 

Deixe uma resposta