Pesquisadores da UFPI orientam sobre reabertura dos restaurantes

Nutricionistas e profissionais de Segurança no Trabalho fazem recomendações para evitar a contaminação pelo novo coronavírus.

Um grupo de professores e pesquisadores da Universidade Federal do Piauí (UFPI) produziu uma nota técnica com orientações para funcionários e frequentadores de bares e restaurantes. É que estes estabelecimentos reabrem na próxima segunda-feira (17) em Teresina e são considerados locais de risco para a disseminação do novo coronavírus.

O trabalho foi realizado pelas nutricionistas Poliana Cristina de Almeida Fonseca Viola, Suely Carvalho Santiago Barreto, Clélia de Moura Fé Campos, Karoline de Macedo Gonçalves Frota, os engenheiros Mayra Fernandes Nobre e Jean Prost Moscardi e o professor de Educação Física Emídio Marques de Mato Neto.

“Locais como bares e restaurantes, por exemplo, podem ser considerados de alto risco de contaminação pelo novo coronavírus, pois geralmente são ambientes fechados, há maior circulação de pessoas por mais tempo e o ato da alimentação implica na retirada da máscara”, diz um trecho do artigo.

Segundo os pesquisadores da UFPI, os estabelecimentos “precisam ser readaptados para o funcionamento após a reabertura gradual e saída do isolamento social”, a fim de evitar aglomerações.

O estudo realizado pela equipe de profissionais traz orientações para os funcionários dos bares e restaurantes, além de recomendações para os clientes.

Confira algumas das orientações:

Adotar horários alternativos de atendimento para evitar períodos de pico e aglomerações em filas, por exemplo. É importante o controle de pessoas na entrada do estabelecimento;

Manter a distância de 1,5 a 2 metros entre as mesas e cadeiras dos clientes, o que é possível com alternância de ocupação das mesas ou remoção destas;

Sinalizar os assentos disponíveis para facilitar a identificação, caso não seja possível a remoção de cadeiras;

O número de cadeiras no entorno das mesas deve ser menor, evitando-se cadeiras de frente uma para outra, exceto quando os clientes forem casais ou grupo familiar;

Disponibilizar áreas para lavagem das mãos (para clientes e funcionários) com pia, água corrente, sabão líquido, papel toalha descartável e lixeira com tampa e pedal. Não devem ser utilizadas toalhas de tecido compartilhadas entre clientes e funcionários;

Disponibilizar álcool 70% em gel, em dispositivos fixos (totens, dispenser de parede, etc.) para higiene das mãos de funcionários e clientes, logo na entrada do estabelecimento e em outros locais estratégicos;

Intensificar a limpeza de todas as superfícies tocadas com maior frequência, a exemplo de maçanetas, torneiras de pias, superfícies de manipulação de alimentos, galheteiros, balcão expositor, mesas e cadeiras, etc;

Utilizar, sempre que possível nas mesas, jogos americanos descartáveis (de papel) ou impermeáveis (para facilitar a higienização). No caso de toalhas de tecido, trocá-las a cada cliente;

Aproveitar ao máximo os espaços ao ar livre dos estabelecimentos para a disposição de mesas e cadeiras;

Espaços fechados/confinados não deverão ser utilizados. A ventilação deverá ser feita de forma natural garantindo a constante troca e circulação do ar. Não é recomendado a adoção de Ar condicionado que não realize a troca do ar (apenas recirculação).

Clique aqui para ler a nota técnica completa.

 

Deixe uma resposta