Vigilância Sanitária alerta que isolamento social não acabou

De acordo com o órgão, mesmo com a retomada dos negócios, as pessoas devem ficar em casa, se for possível.

A Vigilância Sanitária de Teresina reforça que a reabertura das atividades econômicas não significa o fim do isolamento social. Por isso, as pessoas só devem sair à rua em caso de extrema necessidade, a fim de evitar o novo coronavírus.

“Ainda não chegou o momento de passear. Evitar aglomerações é um dos pontos estratégicos para combater o perigo de se contaminar com Covid”, disse a gerente de Vigilância Sanitária, Jeanyne Seba.

“Essa retomada só terá sucesso se todos os envolvidos se comprometerem a seguir as regras determinadas nos protocolos”, completou.

Segundo Jeanyne Seba, os funcionários dos grupos de risco precisam continuar em casa, “realizando home office”.

Para quem vai trabalhar fora, o expediente e os horários de almoço ou lanche devem ser flexibilizados para reduzir o contato entre os empregados.

“As reuniões serão de preferência por videoconferência”, reforça Jeanyne.

A Vigilância Sanitária, órgão da Fundação Municipal de Saúde (FMS), participou da elaboração do protocolo para a retomada dos negócios de todos os setores.

Comércio

No caso do comércio varejista, que reabre dia 27, a orientação é de que as empresas priorizem as vendas online, por delivery ou drive thru.

O plano prevê distância mínima entre clientes e mais agilidade no atendimento. Assim, os consumidores vão demorar pouco tempo nas lojas.

Os estabelecimentos terão que instalar barreiras e fitas de isolamento em frente aos balcões, para impedir a proximidade entre o freguês e o funcionário.

Igrejas

O protocolo das atividades religiosas recomenda que os atos sejam celebrados com apenas 30% da lotação máxima dos espaços.

É obrigatório o uso de máscara por todos, inclusive os celebrantes, e bloqueio de cadeiras para garantir o distanciamento de dois metros entre os fiéis.

As autoridades sanitárias aconselham a realização de atividades ao ar livre. As transmissões pela internet serão mantidas.

Crianças de até 12 anos e pessoas dos grupos de risco, por precaução, não deverão participar dos eventos religiosos.

As instituições foram orientadas ainda a manter pias e álcool em gel 70% ao alcance do público.

 

Deixe uma resposta