Teresina implanta “Alô Mulher” para atender vítimas de violência

O programa vai funcionar de segunda a sexta-feira e tem a capacidade de atender, inicialmente, até 480 ligações por dia.

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, lançou hoje (14) o programa “Alô Mulher Teresina”, uma experiência inovadora no país. Trata-se da implantação de uma central telefônica que vai oferecer uma rede de serviços para as mulheres em situação de vulnerabilidade social e vítimas de violência. Os atendimentos através do call center serão voltados também para área de saúde mental, assistência social e protagonismo feminismo com o objetivo de estimular a ressocialização e uma maior independência financeira das mulheres.

O Alô Mulher Teresina funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, através do número 0800 033 0302, e tem a possibilidade de atender, inicialmente, até 480 ligações por dia. O serviço dispõe também de um ramal de emergência que poderá ser acionado pelas mulheres em caso de alguma urgência.

Durante solenidade virtual, o prefeito Firmino Filho destacou a importância do novo serviço. “Temos trabalhado para ampliar o acolhimento às mulheres, especialmente durante a pandemia, período em que percebeu-se aumento nos casos de violência doméstica. Então, essa iniciativa vem se somar a outras ações do município para proteger e garantir, de forma inovadora, os diretos das mulheres de Teresina”.

A Secretária Nacional de Mulheres, Cristiane Britto, parabenizou a Prefeitura de Teresina pela iniciativa e destacou que o município é uma vitrine para todo o Brasil. “Teresina é um exemplo de como a rede de atendimento as mulheres pode funcionar de forma harmoniosa e eficaz”, elogiou.

De acordo com a Secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Macilane Gomes, um dos destaques do novo serviço é a articulação de várias secretarias municipais, que irão prestar atendimento através de uma equipe especializada e com um acompanhamento em tempo real. “São oito pastas envolvidas nesse trabalho. É muito importante que a gente possa proporcionar um maior suporte num momento de fragilidade que as mulheres estão passando”.

O teleatendimento poderá ter ser feito em até três fases, dependendo da gravidade da situação de cada mulher. Ela poderá ser atendida por especialista por meio de ligação de voz ou vídeo. Esse serviço também contará com um ramal de emergência que poderá ser acionado pelas mulheres em caso de alguma urgência.

O sistema teleatendimento foi desenvolvido pela empesa OPT Tecnologia em Comunicação. “Esse é um canal que conta com a mais moderna tecnologia de comunicação. Quem ligar, não precisa ter crédito ou sinal de internet. A mulher pode fazer a ligação de qualquer local e ter acesso a um atendimento especializado segundo sua necessidade”, explica o CEO fundador da OPT, Dante Brazão.

Semcom

 

Deixe uma resposta