Violência contra a mulher cresce na quarentena

O número de acionamentos do botão do pânico Salve Maria mostra o aumento de casos de agressão dentro de casa.

Os casos de agressão contra a mulher no Piauí aumentaram em 21,35% nos primeiros cinco meses de 2020, com base nas denúncias feitas através do aplicativo Salve Maria. O crescimento foi maior durante a pandemia do novo coronavírus.

A pesquisa da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-PI), divulgada hoje (13), traz os números da violência com base nas queixas registradas nas delegacias da mulher e nos acessos ao botão do pânico do aplicativo.

De janeiro a maio deste ano, o mecanismo foi acionado 341 vezes. A maioria destes casos, um total de 263, ocorreu na quarentena. É uma média de 87 pedidos de socorro por mês durante a pandemia.

De acordo com os dados de 2019, o botão do pânico foi acionado 281 vezes nos primeiros cinco meses. De março a maio, foram 147 ligações. A média é de 49 casos.

A vítima pode acessar o Salve Maria sem sair de casa, o que ajuda muito neste período.

A Secretaria de Segurança informa que outros mecanismos de proteção à mulher foram ampliados, com o telefone 190, da Polícia Militar, e a Delegacia Eletrônica.

O isolamento social para evitar o contágio pelo novo coronavírus obrigou os casais a passarem mais tempo juntos.

Boletins de ocorrência

Com relação ao registro de boletins de ocorrências nas delegacias especializadas no Piauí, houve uma queda de 14,43% no número de casos de violência contra a mulher, entre janeiro a maio deste ano.

De acordo com o Núcleo de Estatística da Secretaria de Segurança, as mulheres comunicaram 1.880 agressões nos primeiros cinco meses de 2020. No mesmo período do ano anterior, foram 2.197 casos.

Feminicídios

Conforme o levantamento, a Polícia foi informada de sete feminicídios nos primeiros cinco meses deste ano. De janeiro a maio de 2019, os policiais investigaram 13 casos de assassinatos de mulheres por seus companheiros.

 

Deixe uma resposta