Strans vai pedir ilegalidade da greve dos motoristas de ônibus

Categoria anunciou que não vai cumprir o acordo firmado com o Ministério Público do Trabalho. Greve já dura 52 dias.

O Sintetro, Sindicato dos Rodoviários do Piauí, anunciou hoje (6) que não vai cumprir o acordo feito com o Ministério Público do Trabalho (MPT), que garantia a circulação dos ônibus a partir desta terça-feira (7), em Teresina. Diante disso, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) vai à Justiça pedir a ilegalidade da greve dos motoristas e cobradores.

Pelo acordo com o MPT, a categoria colocaria 70% da frota do transporte coletivo nas ruas da capital nos horários de pico, ou seja, das 6h às 9h e das 16h às 19h. Nos demais horários, deveriam rodar 30% dos veículos. A greve no setor já completou 52 dias. A categoria reivindica aumento salarial e melhoria nas condições de trabalho.

Por outro lado, a Strans informou que já cadastrou 54 veículos para atender a população. Nesta terça-feira, milhares de trabalhadores voltam ao batente com a retomada das atividades econômicas em Teresina.

 

 

Deixe uma resposta