Pico da Covid-19 no Piauí será em setembro, diz estudo da FGV

O relatório da Fundação Getúlio Vargas apresentado hoje ao Governo do Estado diz que o avanço da doença é crescente.

O pico da Covid-19 no Piauí deve ocorrer somente em setembro. A projeção é da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que faz o acompanhamento dos casos da doença no estado. O resultado do estudo feito pela FGV foi apresentado hoje (15) ao governador Wellington Dias, através de vídeoconferência.

O relatório da FGV apontou um crescimento importante da epidemia no estado. “A média de novos casos continua crescendo. O mesmo é observado na média de incidência de óbitos. A projeção mostra que o pico será só em setembro”, disse Eduardo Massad, da FGV.

Queda do isolamento social

A conclusão do relatório da FGV aponta que o distanciamento social no estado caiu para 48% em relação aos últimos relatórios; a reprodutibilidade de infecção encontra-se em 1.3, ainda longe do ideal, implicando que a epidemia encontra-se em fase ascendente.

“Com as premissas atuais, os casos continuam a estar na trajetória ascendente de curva, com aumento exponencial dos casos nas próximas semanas; tanto a média móvel da taxa diária de casos quanto de óbitos apresentam crescimento ascendente, sem sinais de estabilização”, diz o estudo.

Relaxamento das medidas

Segundo Massad, apesar do quadro preocupante de epidemia ascendente, a fração de ocupação dos leitos de UTI, atualmente em torno de 62%, permite um planejamento racional dos próximos passos.

“Dá pra começar a discutir o relaxamento das medidas, mas com muita cautela, uma vez que o estado está numa situação confortável por ter se precavido. No entanto, a pandemia ainda poderá durar diversos meses. A incidência calculada a partir do inquérito sorológico é uma função linear crescente”, disse.

Outra pesquisa, realizada pelo Instituto Amostragem entre 10 a 13 de junho, estima que o Piauí atualmente tenha 134.102 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Destas, 70 mil são transmissores da doença e 64 mil não estão transmitindo.

Com informações da CCom

 

Deixe uma resposta