Consumidor digital é o novo normal

Ainda que tenha sido impulsionado pelo risco de contaminação, o comportamento digital pode se tornar permanente, diz estudo da SBVC.

Desde que foram adotadas as medidas de isolamento social, o hábito de comprar pela internet vem ganhando cada vez mais força entre os consumidores. Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) apontou que as compras on-line aumentaram em 60% após o isolamento social, evidenciando que o consumidor digital é o novo normal. Ainda que tenha sido impulsionado pelo risco de contaminação, o comportamento digital pode ser permanente. Segundo o estudo da SBVC, 70% dos entrevistados pretendem continuar comprando mais pela internet do que compravam antes da pandemia.

Com a tendência do consumidor mais digital, o grande desafio dos fornecedores de produtos e serviços está em estabelecer a confiança, e a consequente fidelização do cliente no novo mercado tecnológico. Como no espaço virtual o consumidor não tem contato direto com o produto/serviço, tampouco pode negociar o preço, é necessário que as informações sejam claras e precisas, e as ofertas estejam de acordo com os ditames do Código de Defesa do Consumidor.

Porém, um recente levantamento feito pelo Procon-PI revelou que as reclamações referentes aos serviços de compras pela internet apresentaram um aumento de 97,5% nos cincos primeiros meses de 2020, se comparado ao mesmo período do ano anterior. Isso denota que o mercado virtual ainda não estava preparado para o aumento exponencial das novas demandas que surgiram em decorrência do cenário de restrições da Covid-19.

Por mais que a digitalização das relações de consumo tenha sido acelerada pela pandemia, é necessário empenho por parte das empresas para absorver o aumento da demanda e proporcionar uma experiência positiva para o consumidor nesse novo mercado. Quanto ao consumidor digital, é essencial que conheça seus direitos para exercer sua cidadania no novo normal.


MARINERI ALVES de Sousa, 29 anos, é advogada militante no Piauí, formada em Direito pelo Instituto Camilo Filho (ICF), com pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). É membro da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor da OAB-PI. Possui graduação pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pós-graduação em Letras/Português (UESPI).


 

Deixe uma resposta